ASN

Foram concluídas no fim da manhã desta terça-feira, 2, as buscas no imóvel que desabou após uma explosão no último domingo, 31 de dezembro. O imóvel era um residencial com vários apartamentos e estava localizado na avenida João Ribeiro, na região central de Aracaju. A explosão e desabamento resultaram na morte de cinco pessoas, das quais três já foram identificadas.

Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Fábio Cardoso, foram resgatadas 19 pessoas, das quais 14 em vida. “O trabalho foi feito em conjunto com órgãos municipais e estaduais que deram todo suporte às equipes do Corpo de Bombeiros. Para essa operação, foram mobilizadas equipes de busca e resgate e com cães farejadores”, detalhou o comandante.

O governador Fábio Mitidieri prestou solidariedade aos familiares e agradeceu o empenho das equipes da segurança pública. “É uma tragédia e, passado todo o trabalho do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, começa o trabalho mais intenso de identificar as razões dessa tragédia. Temos que investigar e apurar as razões, mas o principal é dar assistência às pessoas que moravam no local”, ressaltou.

Trabalhos

Desde o dia 31 de dezembro, data em que ocorreu o fato, as equipes do Corpo de Bombeiros vinham trabalhando no local. Com a explosão e desabamento, o prédio ficou parcialmente danificado. “No local onde ocorreu a explosão, houve o desabamento total, colapsaram todas as lajes”, explicou o comandante.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

“Entretanto, as demais partes da edificação foram preservadas. Já os prédios vizinhos, é competência da Defesa Civil que vai fazer a avaliação das condições estruturais das edificações. O trabalho contou com equipes em esquema de revezamento com incursões para remoção de escombros e ruptura de lajes”, acrescentou o coronel.

Corpos identificados

Das cinco pessoas que morreram na explosão seguida de desabamento, três tiveram os corpos encontrados ainda no domingo, 31, data do fato. Inicialmente, foram confirmadas as mortes de Isla Solimar Batista Santos, 20 anos; Weslly André Santos, 20; e Guilherme Alves de Souza, 21. As vítimas tinham lesões na cabeça e escoriações no corpo.

Os corpos foram identificados oficialmente por peritos oficiais do Instituto de Identificação Papiloscopista Wendel da Silva Gonzaga (IIWGS). Com levantamento de dados e análises de impressões digitais, além de outros procedimentos, foi possível identificar as vítimas. Já a causa da morte foi identificada pelo Instituto Médico Legal (IML).