CBMSE e PMA

Equipes do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil estão há 24 horas atuando em uma residência da avenida João Ribeiro, no bairro Santo Antônio depois da explosão de um botijão de gás com posterior desabamento. A causa, segundo o Corpo de Bombeiros, provavelmente foi um vazamento de gás por volta das 8h30 deste domingo (31). No total, 17 pessoas foram resgatadas, três delas sem vida, duas em estado grave e outras 12 foram atendidas com pequenas lesões

Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe

As primeiras ligações chegaram ao Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) exatamente às 8h52. Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Fábio Cardoso,  uma equipe atuou durante todo o dia e à noite foi feito o revezamento do turno. “A gente vai fazer um trabalho agora de escora, porque a estrutura ofereceu uma instabilidade. Ela apresentou uma instabilidade no final da tarde e não tem segurança para a gente continuar fazendo prospecção, fazer o trabalho de busca, fazer a remoção de destroços, de entulhos para poder fazer a varredura”, explicou 

Os bombeiros e demais órgãos envolvidos nas buscas atuaram para primeiro estabilizar a estrutura e depois continuou durante toda a noite para fazer as remoções de forma segura. Nesta segunda-feira (01), os bombeiros atuaram com os cães farejadores, para poder continuar o trabalho de identificação dos locais onde estão as pessoas. “É um trabalho de formiguinha, tem que ser bem devagar, tem que ter muito cuidado. Você quebra, perfura uma parede ou laje, remove, escora, porque está tudo ali. Está tudo encaixado dentro de um desabamento. Então a gente tem que ter esse cuidado”, detalhou o comandante-geral do Corpo de Bombeiros. 

Ainda hoje, uma equipe do Instituto de Criminalística irá para o local da ocorrência para fazer uma avaliação meticulosa para tentar identificar as causas da explosão e do desabamento do prédio. Ontem, o Instituto Médico Legal (IML) fez a remoção dos corpos, de dois homens e uma mulher. Desde os primeiros chamados do Ciosp, a Polícia Militar atuou em apoio no local da ocorrência e a Polícia Civil vai instaurar inquérito policial para apurar os detalhes da ocorrência, com base nas informações compartilhadas pelo Corpo de Bombeiros e Perícia. 

PREFEITURA DE ARACAJU

A Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal de Defesa Social e da Cidadania (Semdec), por meio da Defesa Civil Municipal, da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e da Secretaria Municipal da Assistência Social, segue contribuindo com ações de suporte e apoio às vítimas do desabamento provocado por explosão em Aracaju. A ocorrência foi registrada pelo Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE) na manhã de domingo, 31, na avenida João Ribeiro, bairro Santo Antônio, onde ocorreu um colapso de complexo residencial. Desde então, a Defesa Civil de Aracaju foi acionada e mobilizou os demais integrantes do Comitê de Gerenciamento de Crise da gestão municipal para adoção das providências necessárias.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O comandante do CBMSE, coronel Fábio Cardoso, explica que as equipes têm trabalhado desde a manhã do dia 31, somando mais de 32h de buscas. Ao todo, já foram resgatadas 17 pessoas, foram registrados três óbitos, 14 vítimas com vida, sendo que duas foram transportadas pelo Samu para o hospital e outras duas foram atendidas pela Samu ainda no local e liberadas em seguida. “Segundo o levantamento que fizemos, existe a possibilidade de três pessoas estarem desaparecidas e seguimos em busca dessas vítimas. O prédio estava irregular, pois era uma unidade multifamiliar, que se assemelha a um condomínio, e deveria ter passado por uma aprovação e uma vistoria para receber o atestado de regularidade”, destaca.

O secretário municipal da Defesa Social e da Cidadania, coronel Silvio Prado, explica que as pastas municipais atuam conjuntamente com os órgãos do Governo do Estado, sendo eles o Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE), a Defesa Civil Estadual, a Polícia Militar de Sergipe (PMSE) e Polícia Científica. “Estamos desenvolvendo tanto um trabalho de apoio logístico, através da estrutura fornecida pela Prefeitura de Aracaju, quanto de apoio técnico, na parte de engenharia e de conhecimentos em busca e resgate em estruturas colapsadas. Ao longo da noite, as equipes atuaram para garantir a segurança do local, que possui estrutura instável com risco de desabamentos. As buscas foram mantidas pela manhã, com cães farejadores, assim como daremos continuidade à retirada de escombros e suporte assistencial às famílias”, explica Silvio Prado.

A secretária da Assistência Social de Aracaju, Simone Santana, detalha que a gestão municipal está prestando apoio logístico e orientando as famílias vítimas do desabamento, bem como auxiliará no transporte dos pertences. “São famílias que perderam tudo e estão precisando de apoio e direcionamento. A princípio, nós estamos acolhendo três famílias em nossos abrigos e estamos aqui no local dando outros direcionamentos a pessoas que precisam trabalhar e precisam de uma declaração explicando que aconteceu o sinistro e não tem condições de ir, pois perdeu seus pertences. Estamos dando todo apoio logístico, oferecendo carros para que essas pessoas possam procurar novos lugares para morar, além do acompanhamento, direcionamento e acolhimento prestados”, completa Simone.

Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe

Até o momento, três pessoas estão sendo acolhidas pelos equipamentos da Assistência Social, sendo duas senhoras e um rapaz. A Prefeitura também está fazendo um levantamento para garantir o aluguel social para quem precisa e, assim, prestar todo o suporte necessário. Da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), os agentes atuam continuamente auxiliando o Corpo de Bombeiros na retirada dos escombros, disponibilizando caixa de 30m³ para depositar o material coletado e dois banheiros químicos.

Agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) atuam para bloqueio e suporte com relação à organização do trânsito, realizando o desvio para a rua Gumercindo Bessa.

NE NOTÍCIAS

5 famílias desabrigadas.

40 pessoas estão desalojadas, na casa de parentes e amigos.

2 pessoas continuam internadas.